terça-feira, 12 de agosto de 2014

Consumo, de fato

Caminhar nas ruas enquanto os carros passam pelos vãos, comprimem o ar causando o efeito e aquele som característico. Motores queimam os pistões que numa prece se deleitam em meio ao fogo e fumaça. Respiram, transpiram e se derretem. O dia estava quase no fim e o sol já se punha quando aconteceu o fatídico impasse, o choque entre dois nêutrons mudou completamente o destino daquela rua, o instável passou para o mundo real que estabilizado estava. Numa prece, o sacerdócio profanava mais uma vez o nome do pai celestial enquanto aqueles dois nêutrons se consumiam. Tudo foi pelos ares, tudo acabou no segundo em que o destino mais uma vez se fez presente. Caía a tarde e o Sol daria um ultimo suspiro no meio dos prédios em ruínas.

As usinas nucleares ao fundo, pouco antes dos prédios, assinalavam com seus sarcófagos o final, sem créditos, sem música, sem motores.

 De ontem em diante, o que havia acontecido naquele instante que piscou os olhos. Uma epifania que levou o ser ao nirvana. Elevou-se acima das árvores, dos carros, das pessoas... Suspendeu-se em pensamento enquanto as correntes de ar passavam por seu corpo e em meio a buzinas e gritos desesperados. Deitava-se bem na faixa do centro, num dia comum e movimentado, ao som de Across the Universe, os carros parando enquanto todos se deitavam ali em mais um protesto de um dia comum na grande metrópole.

…nothing's gonna change my world…
…nothing's gonna change my world…

Em coro e em prece, todos de mãos dadas, em circulo, cores invertidas no céu em amarelo, pássaros lilás e pessoas num azul topázio gritavam por ajuda. Tanques de guerra atiravam contra os manifestantes que em momentos de explosão abria-se uma cratera que engolia os carros e o cenário se igualava a Gaza. O confronto era mais que civil, desta vez Deus deveria escolher seu lado e escolheu o lado de cima. Fingiu-se de cego e surdo, a humanidade mais uma vez daria fim ao próprio semelhante em nome das nuvens de fumaça que subiam após os mísseis. Tel aviv ainda comandava um dos maiores atentados a raça humana onde crianças em mulheres eram expostas ao terror.


Jai guru deva, Om...



Um comentário:

José Reinaldo BC disse...

Muito bom,amei parabéns..